Notícias e Variedades de Macaé
Início » Vida » Revista » Mães de gêmeos

Mães de gêmeos

dom, 20/04/2014 - 16:01 -- Alice Cordeiro
Créditos: 
Foto Gianini Coelho
alessandra mãe de gêmeos macaé

Assim que descobre que está grávida, uma mulher começa a sonhar em como será seu filho, como irá educá-lo, como será o quartinho dele e quais roupinhas irá comprar. A descoberta do sexo na ultrassonografia passa a ser a grande expectativa da mamãe. Menino ou menina? Imagina quando, nesta hora, descobre que são dois? Surpresa, angústia e alegria são sentimentos vividos neste momento.

Estatisticamente, a chance de uma mulher engravidar, naturalmente, de dois bebês de uma só vez é de uma para cada 80 gestações. As mães de trigêmeos são mais raras, uma em cada 8 mil mulheres grávidas. Quatro ou mais filhos em uma mesma gestação são ainda mais raros de acontecer naturalmente. Contudo, quando a gravidez é proveniente de tratamentos de reprodução assistida eles são mais comuns.

medico paulo santana obstetra macaéDe acordo com o obstetra e ginecologista Paulo Sant`Ana, os gêmeos podem ser idênticos ou fraternos. “Os idênticos provêm de óvulo e espermatozoide único, que em uma fase precoce da evolução se divide, cada parte originando um novo ser, tendo a mesma carga genética, o mesmo sexo, o mesmo grupo sanguíneo, as mesmas características físicas e tendências patológicas, não havendo também dificuldades imunológicas para qualquer transplante, caso necessário. Já os fraternos são originados de óvulos e espermatozoides distintos, portanto não têm a mesma carga genética, tendo as semelhanças iguais às encontradas entre irmãos oriundos de gestações diferentes”, explica.

Sant`Ana explica que a gestação gemelar é considerada de risco, pois a ocorrência de abortos e morte de um dos bebês pode ser comum. Além disso, a gestante tem uma tendência maior ao ganho excessivo de peso, anemia, varizes, hipertensão e ao parto prematuro. “Por isso, as futuras mães de gêmeos devem ter cuidados redobrados. Ter uma alimentação balanceada, fazer atividades físicas regulares moderadas – quando permitido pelo seu médico – evitar o ganho excessivo de peso e qualquer situação de risco, além de fazer um bom acompanhamento pré-natal”, aconselha.

Apesar de todos os fatores de risco, o médico tranquiliza as futuras mamães reforçando a importância do acompanhamento médico constante, que garante um parto seguro”. A prematuridade do parto pode ser facilmente contornada com a participação de um pediatra e com uma boa assistência da UTI neonatal. Quanto ao tipo de parto, para a maioria das gestantes é indicada uma cesariana, contudo se as condições dos bebês e da mãe forem favoráveis, é possível optar pelo parto natural”.  

“Em geral, quando os pais descobrem que terão mais de um filho ao mesmo tempo, a primeira reação que assistimos é de susto e preocupação. No entanto, com o decorrer do pré-natal, esses sentimentos vão sendo substituídos por uma reação de felicidade imensurável”, conta Paulo Sant`Ana. Algumas mães de gêmeos e trigêmeos compartilharam com a revista DiverCidades como foi a descoberta da gravidez múltipla e como lidam com o desafio de cuidar de dois ou três filhos ao mesmo tempo, transformando a angústia inicial em amor incondicional.


Trigêmeos

Foto Ana Nogueira

danielle macaé mãe de trigemeosA empresária Danielle Guedes, de 36 anos, já tinha a Antonella, na época com 2 anos, quando descobriu que estava grávida novamente. Sem planejamento, a gestação foi uma surpresa para ela e o marido Cristiano Guedes, de 43 anos. Na hora da ultrassonografia outro susto: trigêmeos. “Descobrimos que eram dois meninos e uma menina. Inicialmente, ficamos muito assustados, imaginando como criaríamos mais três filhos. Cheguei a pensar que teria que abrir mão de algumas coisas para cuidar deles. Contudo, acredito que o tempo de gestação foi o tempo de me preparar para recebê-los, para saber como lidar com a situação e para entender que fui escolhida por Deus para receber essa benção”, relembra destacando a raridade de trigêmeos.

Sócia do marido na Pizzaria do Cristiano, Danielle conta que conseguiu trabalhar e fazer todas as suas atividades normalmente até o fim da gravidez, com 33 semanas. Apesar de esperar trigêmeos, ela revela que engordou apenas 20 quilos, enquanto na gestação da Antonella engordou 30. Consciente dos riscos da sua gravidez, Danielle descobriu que a menina, que estava em uma placenta diferente da dos meninos, corria risco no parto. “Torcíamos para que tudo desse certo e estávamos preparados para qualquer notícia. Ela foi a última a nascer e quando aconteceu só queria saber se estava bem. O médico disse que estava tudo bem e que era um menino!”, lembra emocionada, reforçando que a gravidez foi cheia de surpresas.

Devido ao parto antecipado, os meninos tiveram que ficar um tempo na UTI Neonatal para ganhar peso. Lorenzo e Vitório, gêmeos idênticos, deixaram o hospital com 15 dias, enquanto Pietro, gêmeo fraterno, deixou o hospital com 48 dias. “Até os sete meses, tive a ajuda de uma enfermeira e hoje, além da minha família, tenho a ajuda de três profissionais. Precisei aprender a delegar, o que me fez sofrer no começo, mas depois entendi que eu não poderia fazer tudo”, conta. Para Danielle, o segredo para cuidar de três recém-nascidos ao mesmo tempo e de uma filha de dois anos é organização. “Na hora de mamar, mamava todo mundo junto; na hora de dormir também, e quando eu tinha que dormir eu dormia, pois sabia que teria que acordar inteira para começar tudo de novo”, conta.

Além da ajuda do marido, da mãe e das três irmãs, Danielle conta com três funcionárias em casa. Só assim ela consegue realizar todas as atividades com a Antonella; levar o Pietro semanalmente ao Rio de Janeiro para fazer tratamento de fonoaudiologia; cuidar dos meninos; administrar o restaurante; viajar com o marido e fazer atividades físicas. “Só consigo administrar tudo isso com a ajuda da minha equipe”, confessa.

Quanto aos planos para o futuro dos meninos, hoje com dois anos, ela conta que vive um dia de cada vez. “Às vezes, sofremos antecipadamente pensando em como será o futuro, mas vivo um dia após o outro. Sei que vou viver para eles, mas não tenho a receita de como será. Vou perceber com o meu coração de mãe o que é bom ou não para a criação dos meus filhos”, reflete.

Nascida em uma família grande, Danielle acredita que sua gestação múltipla seja uma herança de família. Ela tem duas irmãs gêmeas, tios e primos gêmeos, enquanto Cristiano tem tios trigêmeos. “Sou muito feliz por saber que meus filhos sempre terão um ao outro. Sempre fui muito agarrada com minhas irmãs e quero isso para os meus filhos. Minha maior alegria é olhar e sentir o amor na sua forma material, o amor verdadeiro. Sei que nunca vou estar sozinha e serei verdadeiramente amada.”


Duas gestações: dois meninos e duas meninas

Cercada pelos seus quatro gêmeos, dois meninos da primeira gestação e duas meninas da segunda, Alessandra de Abreu Jatobá, 40 anos, conta que nunca pensou em ser mãe de quatro filhos. “Sempre que me imaginava mãe, pensava em apenas um filho e hoje estou repleta desse amor”. Depois de alguns meses tentando engravidar, Alessandra e Luiz Mariano Jatobá, de 36 anos, perceberam alguma dificuldade. Após diversos exames, descobriram que ela estava com a trompa – onde ocorre a fecundação – obstruída, o que impedia a gravidez. “Após um exame de imagem com contraste, engravidei.

Acreditamos que o contraste liberou a trompa. Ficamos super felizes com a notícia e na segunda ultrassom descobrimos que eram gêmeos. Passei um mês curtindo os dois. No mês seguinte, o médico nos disse que eram três, mas que o terceiro não tinha sobrevivido. Ele explicou que o corpo absorveria naturalmente o feto, por estar ainda muito pequeno e que isso era comum em gestação de múltiplos”, lembra Alessandra.

Quando Pedro e Miguel nasceram, o casal se dedicou plenamente aos pequenos. Apesar de contarem com a ajuda de uma babá e da família, eles faziam questão de realizar todas as atividades com os filhos. “Eles dormiram conosco até quase três anos e quando estávamos ensinando-os a dormir no quartinho deles, eu descobri que estava grávida novamente. Como o problema da trompa continuava, eu achava que não poderia mais engravidar”, revela Alessandra.

Aos 40 anos, Alessandra estava grávida de duas meninas. O planejamento do futuro de quatro crianças, praticamente ao mesmo tempo, a assustou. Contudo, o apoio do marido a acalmou e a fez perceber que era possível. Para receber as duas novas integrantes da família foram necessárias algumas mudanças: Alessandra trouxe seu escritório para perto de casa, contratou mais uma babá e fez algumas adaptações na residência. A relação de Pedro e Miguel, 4 anos,  com Bethânia e Helena, 1 ano, foi uma preocupação para os pais. “Não queríamos que os meninos sentissem diferença na rotina deles por conta da chegada das meninas, por isso, continuamos fazendo tudo como antes. Eles não sentiram ciúmes. Eles olhavam, queriam cuidar e até amadureceram, deixando a chupeta de lado, por exemplo”, lembra.

A experiência com os primeiros filhos deu mais tranquilidade para a criação das meninas. Mas a rotina de trabalho aumentou. “Diariamente, guardamos muitos brinquedos, lavamos muita roupa, além de outras atividades. Apesar de termos ajuda, fazemos questão de fazer tudo com eles. Quando levamos no salão para cortar cabelo, por exemplo, vamos todos juntos; quando levo ao pediatra, fecho a agenda do médico na parte da manhã e levo todos juntos”, conta destacando que foi necessário mudar de carro para que comportasse a família inteira. 

Pedro e Miguel se vestem igual e são tão parecidos que é difícil saber quem é quem. “A confusão acontece até na família. Às vezes, as pessoas tentam diferenciar pela roupa que eles estão usando, mas um gosta do que o outro gosta. Sempre foi assim, nunca foi estimulado, mas eles sempre usam e brincam com as mesmas coisas. No entanto, apesar de estudarem na mesma sala de aula, os amiguinhos são diferentes, cada um tem a sua turminha”, conta Alessandra.


À espera de Enzo e Sofia

renata grávida de gemeosCasada há três anos com Flávio Roberto Ramos, de 41 anos, a comerciante Renata de Araújo Mancini, de 36 anos, sonha com os rostinhos de Enzo e Sofia. Com cinco meses de gestação, ela conta que sempre sonhou em ter um casal. “Estávamos tentando engravidar há um tempo e ano passado engravidei, mas perdi. O médico explicou que era natural e que deveríamos continuar tentando. Pouco tempo depois, soube que estávamos grávidos de gêmeos. Descobrimos o sexo dos bebês recentemente. Agora, estamos nos preparando para montar o quartinho de Enzo e Sofia”, diz.

Ciente dos cuidados que sua gestação requer, Renata conta que evita fazer esforço físico, ter aborrecimentos e toma outros cuidados necessários para uma gravidez gemelar. “Já estou procurando uma pessoa para me ajudar quando eles nascerem. Fico me perguntando como vou fazer para cuidar dos dois, mas sei que vou contar com a ajuda da minha família e, principalmente, do meu marido”, revela, destacando que pretende criar os dois juntos, na mesma escola enquanto der certo. “Procuro seguir meu coração, com fé e acreditando que tudo vai dar certo”, confessa.


Conselhos e desafios

Questionadas sobre os desafios da maternidade múltipla, as mamães concordam que o maior deles é garantir que todos os filhos sintam-se amados da mesma forma, com a mesma intensidade e cada um à sua maneira. Para mães de gêmeos de primeira viagem, como Renata, Danielle e Alessandra, o conselho é seguir o instinto de mãe e o coração. “O importante é não sofrer com antecedência, ter um olhar positivo para as coisas. Filho é benção e alegria e é o verdadeiro motivo pelo qual estamos na terra. Viemos para formar família e é através dela que conhecemos a felicidade verdadeira”, tranquiliza Danielle. 

 

“Muitos pais ficam preocupados em não errar. Para isso, precisamos amar muito nossos filhos porque quando amamos, não erramos. Ficamos ainda mais seguros, pois sabemos que estamos fazendo o que é certo. Só sabemos o que é o amor verdadeiro quando temos um filho. Os meus são meus quatro corações batendo fora do meu peito”, aconselha, emocionada, Alessandra.

Comentar

Seu comentário será liberado pelo administrador. Informe-se sobre as regras de moderação de comentários no Termo de uso.
CAPTCHA
Resolva a soma abaixo por questões de segurança
4 + 2 =
Solve this simple math problem and enter the result. E.g. for 1+3, enter 4.